segunda-feira, 20 de abril de 2015

Madame Bovary - Gustave Flaubert


     Olá! Na primeira postagem de hoje eu decidi trazer mais um livro pertencente à coleção "Clássicos da Abril" e que eu terminei de ler a pouco tempo: "Madame Bovary", de Gustave Flaubert.
     Segundo informações trazidas pelo próprio livro, esse romance foi escrito por Flaubert entre 1851 e 1856, sendo então publicado na revista Revue de Paris de outubro a dezembro de 1856. Em meio a cortes de partes do romance ao longo de sua publicação e problemas com a justiça francesa já no ano seguinte à mesma, Flaubert proferiu a tão famosa frase: "Madame Bovary sou eu". (Há muitas interpretações para essa frase e por conta disso mesmo eu resolvi não trazer nenhuma delas).
     O romance narra a história de Charles Bovary desde sua infância até tornar-se médico e conhecer Emma, com quem se casa e tem uma filha. Emma eram uma jovem sonhadora, que procurava um amor semelhante aos presentes nos livros que lia, no entanto, ao casar-se com Charles ela vê-se presa a uma série de convenções ligadas à vida provinciana que levava. Assim, procurando seguir o que seus sonhos postulavam, Emma trai o marido.
     Não falarei mais sobre a história por realmente acreditar que esse livro deve ser lido de ponta a ponta por vocês, visitantes do blog. Mesmo os momentos em que a história torna-se extremamente descritiva e até um pouco monótona devem ser apreciados, uma vez que esses elementos ajudam a compor essa obra considerada crítica das fantasias e modos de vida da burguesia francesa do período.
     O fim de Emma foi exatamente o fim que eu imaginei que ela teria ao chegar em mais da metade do livro, já o fim de Charles e de sua filha, não.
     Veja abaixo algumas fotos do livro e mais informações sobre onde/quando e por quanto eu o adquiri. Até mais.
     





Nenhum comentário:

Postar um comentário