sexta-feira, 23 de maio de 2014

Born To Die - Lana Del Rey


     Olá! Essa postagem eu dedico à Sú Vasconcellos, uma amiga que divide comigo a mesma admiração pela cantora Lana Del Rey. (P*** bom gosto o nosso, não? rs).
     Bem, o "Born To Die", que foi lançado em 2012, é o primeiro álbum da Lana Del Rey (desde que ela resolveu assumir esse nome). Eu "conheci" a Lana quando eu vi pela primeira vez o clipe de "Video Games", isso bem no começo do ano de 2012.
     No início eu tive um pouco de estranhamento em relação à ela, por conta de sua aparência e por eu achá-la um pouco mórbida (na verdade ainda acho, mas não encaro isso como um problema ou defeito); mas depois eu me rendi às suas músicas e a todo o universo criado em volta delas.
     Fazendo uma breve analogia, ouvir Lana Del Rey é como ouvir poesias sendo cantadas. As palavras se encaixam perfeitamente e exprimem sentimentos, não sendo assim canções vazias, e isso é outro fator que eu admiro muito em todas as músicas.
     Esse é um álbum em que é extremamente difícil estabelecer quais são minhas músicas favoritas, portanto eu não o farei. E o único defeito dele (a meu ver) é não incluir a canção "Kinda Outta Luck".
     Eu me lembro que comprei esse CD pessoalmente na Saraiva por cerca de R$25,00 (com o meu primeiro salário em Uberlândia, inclusive) em abril de 2012. Caso você queira ver o encarte da edição deluxe-digital desse álbum (que não é o do meu) CLIQUE AQUI. Até mais.






9 comentários:

  1. Oun *---* não imaginei que a dedicatória se estendesse até uma postagem que amor Roger! <3
    Sim também me apaixonei por Lana quando vi o video games e achei viciante! Ao contrário do teu estranhamento amei o visual vintage dela e como admiro mulheres que fazem graves achei o timbre dela perfeito, um bálsamo de escutar.
    Foi bem numa época em que eu estava cansada de farofas pop eletro e baladas românticas eu precisava de um meio termo e Lana del Rey foi amor à primeira vista. Acho ela de uma beleza deslumbrante e uma verdadeira diva. Ela compõe as músicas? Eu as escuto como se ela estivesse contando uma parte da história dela, pode estar muito longe da verdade mas sinto um certo sentimento pessoal.
    Sobre o álbum é uma música boa atrás da outra e o encarte é lindo, estou no aguardo pra saber o que ela vai trazer no novo. Without you é single? Pois conheci essa música junto com Radio achei que estivessem no mesmo álbum. Mais uma vez obrigada pela dedicatória, foi uma linda surpresa!
    Concordo com cada palavra :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No meu caso foi amor à segunda ou terceira vista, mas isso nem importa mais. Sim, ela é a principal compositora de todas as suas músicas exceto, é claro, dos covers que ela fez. Que eu saiba "Without You" não é single, mas ele está nesse álbum sim (Só que na versão deluxe - que não foi lançada no Brasil).
      Outra coisa que gosto bastante nela é a a junção de vários vídeos antigos em seus clipes, principalmente daqueles com partes de desenhos animados :)

      Excluir
    2. Eu tenho esse álbum na versão digital. O encarte também acompanha. Eu ouvi esse álbum incessantemente em seu lançamento, mas não entendo o motivo pelo qual vivem reeditando ele com a inclusão de novas músicas e sob um título novo. Lana Del Rey é legal. Acredito que poderia ter sido melhor ainda caso não tivesse sido transformada num produto tão pasteurizado que nenhuma das músicas remetem ao vídeo que impulsionou sua carreira. Não que isso devesse prevalecer, evidentemente. Mas é que não vejo com bons olhos quando matam o essencial, a organicidade de um intérprete a ponto de massificá-lo. A tentativa de massificação do underground têm deixado os ouvintes de música popular órfãos. Mas enfim, Lana Produto do Rei é audível e ainda se difere de outros produtos musicais na atualidade.

      Excluir
    3. Até concordo Túlio, mas o único modo de um artista se manter totalmente fiel a sua essência é se livrar de grandes gravadoras e fazer produção independente. Aí o público ficaria bem restrito... se a intenção do artista é fazer sucesso não vai ser por esse caminho que vai seguir.
      Roger os clipes dela são tudo! Eu acho National Anthem um tapa na cara kkk

      Excluir
    4. Concordo contigo Súney... Também acho National Anthem sensacional. Bastante icônico e cheio de metáforas.

      Excluir
    5. Sim, ainda acrescento que por isso é que temos tantos lixos musicais. Kennedy negro é quase uma provocação se não for.

      Excluir
    6. Túlio, a versão Standard e Deluxe do "Born To Die" foram lançadas juntas. Isso é uma estratégia que vem sendo muito usada de uns anos para cá. Até aí, td OK. Mas em 2013 (quando ela alcançou o sucesso que ela tem) ela lançou o EP "Paradise" e preferiu juntá-lo ao "Born to Die" (Eu falarei desse EP aqui no blog dentro em breve), assim como a Lady Gaga fez, por exemplo, quando lançou o EP "Monster" juntamente com o álbum "The Fame". Enfim, são estratégias para vender mais e difundir cada vez mais os/as cantores/as e suas músicas.

      Excluir
    7. Sú, quanto aos clipes só tenho a dizes que são todos perfeitos, desde aos mais simples (que ela própria editou) até os "Born to Die" ou "National Anthem" da vida, rs. Mas meu preferido continua sendo o de "Ride". Quando eu ouvi essa música, parecia que ela estava pronta desde a década de 1950. A Lana realmente consegui me transportar para o mundo dela com essa música e clipe.

      Excluir
    8. Não tenho como dizer qual a melhor música pq gosto de praticamente todas, mas o melhor clip eu concordo que é o de Ride, a fotografia é maravilhosa.

      Excluir